quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Velho Vaso Cinza

Velho Vaso Cinza

Nunca pensei que sentiria

Saudades de um vaso sanitário.
Na infância eu fazia as necessidades
Numa privada.
Que chamávamos de casinha.
Pois era uma pequena construção de tijolos
Isolada do resto da casa.
Não tinha vaso.
Era apenas uma abertura
Em um piso de concreto.
Sobre uma profunda fossa.
Eu não ficava ali muito tempo não,
Pois tinha medo que aquilo afundasse
E me tragasse.
Foi ali que no tempo em que ainda mordia chupeta
Vi a minha avó materna pela greta.
Literalmente falando:
Ela estava de  pé segurava a barra da saia
Enquanto fazia xixi.
No sentido figurado ver a avô pela greta
É tipo sentir muita dor
Quando se prende o dedo na porta...
Em Setembro último.
Paixãozinha e Eu,
Resolvemos reformar o banheiro.
Contratamos um profissional competente
E trocamos tudo.
E entre outras coisas
Joguei fora no lixo
O meu velho vaso cinza e fiquei triste
Meu vaso cinza foi embora
Estou com saudades do meu vaso cinza
Que hoje joguei na caçamba de entulhos
O meu querido vaso cinza
Onde “meditei” quase todas as manhãs
Nos últimos vinte e cinco anos.
O embrião de muitos dos meus poemas
Nasceram ali enquanto eu estava sentado
Sobre o meu querido amigo
Vaso cinza.
O novo é branco modelo moderno
Mas ainda não me conquistou.
É tipo aquele amigo recente
Que a gente não sabe se pode confiar.

Copyright©tom vital/30/09/2017


Tríplice

Tríplice

Gina
Agita
Vagina.

Mordidura
No
Falo.

Uivos
Diamantes
Explodindo.

Orgasmo
Flui
Louco.

Sexo
Coisa
Nobre.

Poesia
Arte
Nobre.

Política
Coisa
Podre.

Copyright©tom vital/15/10/2017

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Programa De Finados

Programa De Finados
 O Sol saiu de cena.
O firmamento ficou plúmbeo.
Num estalo começou a cair uma chuva
Miúda, porém intermitente.
Abri uma cristalina pura da roça
Cachaça de rolha,
E tomei um longo trago.
Coloquei para tocar no meu três em um Gradiente,
Amigo velho de guerra que continua firme e forte,
Uma antiga e bem surrada fita cassete
Com o melhor do Blues.
E entre uma dose e outra
Entre uma música e outra
Recordei meus mortos queridos. (Imagem Da Internete)
Não vou ao cemitério
Penso que os mortos
Gostam de sossego.
E assim a tarde se foi.
E logo caiu a noite.
Foda é a morte.
Ela Fode com tudo.
E com todos!
Copyright Tom Vital/02/11/2016


domingo, 15 de outubro de 2017

Poema Funerário

Poema Funerário

É sábado a chuva cai miúda.
Faço a minha caminhada matinal,
E penso em S... a bela química loira,
Colega de trabalho, que ontem me disse:
“Sexta Você só acredita na bíblia pela metade”
Resposta dada por eu lhe ter respondido
Que sempre cortava o número nove para eliminar
O nono mandamento,o único
Que eu acho difícil de respeitar.
Mais precisamente a parte que diz:
"Não desejarás a mulher do próximo..."
Quando de repente passo pela funerária de V...
Que fica em frente
A UPA 24h, e me deparo com
Caixões de todo os tipos, todos os preços
Expostos ao gosto do freguês.
E me deslumbro com a proprietária
Uma linda modelo plus size
Que sentada à sua mesa de trabalho
Diante do computador aberto
Ofertava o farto e magnífico peito
Ao ávido filhinho de poucos meses.
Foi então que eu vi a vida de mãos dadas com a morte
Atadas num indissolúvel nó górdio.
Que nem mesmo a espada de Alexandre
O Grande ousaria cortar.
Continuei a minha jornada com aquela
Marcante imagem na mente
E me esqueci completamente de S...
Fato notável.


Copyright©TomVital/09/2017

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Glória A Ti

Glória A Ti
Obrigado Nossa Senhora De Aparecida
Ainda que tênue seja a minha fé
Ele vive a moléstia foi sanada
Quero festejar brindar bastante.

Contente estou alto astral
Ele está em casa recebeu alta do hospital
Enquanto de Camus “A Peste“, eu lia
Meu irmão leptospirose contraia.

Foram vinte dias no Madre Tereza
Nove deles só na CTI
Mas chega de tristeza!

Agradeça meu querido irmão
Élcia e Patrícia a inteira dedicação
Padroeira do Brasil Glória a Ti.


Copyright©Tom Vital/14/05/1996

sábado, 7 de outubro de 2017

Cena De Cinema

 Cena de Cinema

Um famoso cineasta mineiro
Iria rodar um filme sobre o poeta Mississi.
A mais bela e mais famosa atriz global
Do momento, cobiçada por todos
Estava escalada para ser a delegada
Munik MIRA ADMIRAVEL
O maior affaire do poeta.
Para o protagonista
Precisavam de um poeta
Que não tivesse pinta de galã.
Desempregado sem perspectiva,
De arranjar um novo trampo
Inscrevi-me...
Por sorte fui escolhido para contracenar com a diva
De vinte e dois aninhos.
Teve uma cena de sexo a coisa esquentou além da conta,
E fizemos amor de verdade.
Daí a nove meses ela colocou no mundo um filho meu.
Meu primeiro rebento...

Houve um estrondo o forro de Madeira do meu banheiro.
Remendado com papelão e arame,
Enfim desabava, de pobre.
Fruto de um vazamento de vinte anos, vindo,
Do banheiro do insensato vizinho do segundo andar.
(que sempre fez ouvido de mercador para minhas suplicas...)
Um senhor de sessenta anos, que todos os domingos
Vai à igreja rezar em companhia de sua senhora.
Dona Lu Lu treme treme.
Ela sofre de alguma doença degenerativa que eu não sei precisar
E por isso foi maldosamente
Alcunhada pela sindica do meu prédio
Que não se dá bem com o casal
Como Lu Lu treme treme.
Como disse houve um estrondo.
Acordei... Estivera sonhando
E já eram dez horas de uma manhã de domingo.
A cabeça estourava. Teria que curar a ressaca,
E limpar a sujeira do banheiro.
Putzgrila...

Copyight©Tom Vital/13/08/2017



domingo, 1 de outubro de 2017

Meu Pinto

Meu Pinto     
   
O meu pinto é o meu melhor amigo.
Mas se o meu pinto, o meu falo
O meu cálamo;
Fosse um cactus erectus
Ele deixaria as mulheres loucas
E eufóricas...
Mas por ironia do destino.
Eu não poderia penetrar nem mesmo
A vagina da fêmea do porco-espinho.
Talvez sim, talvez não
Só poderia copular com a mulher cactus
Se a mulher cactus existisse.
Mas digo e repito
O meu pinto é o meu melhor amigo.


Copyright © Tom vital/01/10/2017