domingo, 15 de outubro de 2017

Poema Funerário

Poema Funerário

É sábado a chuva cai miúda.
Faço a minha caminhada matinal,
E penso em S... a bela química loira,
Colega de trabalho, que ontem me disse:
“Sexta Você só acredita na bíblia pela metade”
Resposta dada por eu lhe ter respondido
Que sempre cortava o número nove para eliminar
O nono mandamento,o único
Que eu acho difícil de respeitar.
Mais precisamente a parte que diz:
"Não desejarás a mulher do próximo..."
Quando de repente passo pela funerária de V...
Que fica em frente
A UPA 24h, e me deparo com
Caixões de todo os tipos, todos os preços
Expostos ao gosto do freguês.
E me deslumbro com a proprietária
Uma linda modelo plus size
Que sentada à sua mesa de trabalho
Diante do computador aberto
Ofertava o farto e magnífico peito
Ao ávido filhinho de poucos meses.
Foi então que eu vi a vida de mãos dadas com a morte
Atadas num indissolúvel nó górdio.
Que nem mesmo a espada de Alexandre
O Grande ousaria cortar.
Continuei a minha jornada com aquela
Marcante imagem na mente
E me esqueci completamente de S...
Fato notável.


Copyright©TomVital/09/2017

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Glória A Ti

Glória A Ti
Obrigado Nossa Senhora De Aparecida
Ainda que tênue seja a minha fé
Ele vive a moléstia foi sanada
Quero festejar brindar bastante.

Contente estou alto astral
Ele está em casa recebeu alta do hospital
Enquanto de Camus “A Peste“, eu lia
Meu irmão leptospirose contraia.

Foram vinte dias no Madre Tereza
Nove deles só na CTI
Mas chega de tristeza!

Agradeça meu querido irmão
Élcia e Patrícia a inteira dedicação
Padroeira do Brasil Glória a Ti.


Copyright©Tom Vital/14/05/1996

sábado, 7 de outubro de 2017

Cena De Cinema

 Cena de Cinema

Um famoso cineasta mineiro
Iria rodar um filme sobre o poeta Mississi.
A mais bela e mais famosa atriz global
Do momento, cobiçada por todos
Estava escalada para ser a delegada
Munik MIRA ADMIRAVEL
O maior affaire do poeta.
Para o protagonista
Precisavam de um poeta
Que não tivesse pinta de galã.
Desempregado sem perspectiva,
De arranjar um novo trampo
Inscrevi-me...
Por sorte fui escolhido para contracenar com a diva
De vinte e dois aninhos.
Teve uma cena de sexo a coisa esquentou além da conta,
E fizemos amor de verdade.
Daí a nove meses ela colocou no mundo um filho meu.
Meu primeiro rebento...

Houve um estrondo o forro de Madeira do meu banheiro.
Remendado com papelão e arame,
Enfim desabava, de pobre.
Fruto de um vazamento de vinte anos, vindo,
Do banheiro do insensato vizinho do segundo andar.
(que sempre fez ouvido de mercador para minhas suplicas...)
Um senhor de sessenta anos, que todos os domingos
Vai à igreja rezar em companhia de sua senhora.
Dona Lu Lu treme treme.
Ela sofre de alguma doença degenerativa que eu não sei precisar
E por isso foi maldosamente
Alcunhada pela sindica do meu prédio
Que não se dá bem com o casal
Como Lu Lu treme treme.
Como disse houve um estrondo.
Acordei... Estivera sonhando
E já eram dez horas de uma manhã de domingo.
A cabeça estourava. Teria que curar a ressaca,
E limpar a sujeira do banheiro.
Putzgrila...

Copyight©Tom Vital/13/08/2017



domingo, 1 de outubro de 2017

Meu Pinto

Meu Pinto     
   
O meu pinto é o meu melhor amigo.
Mas se o meu pinto, o meu falo
O meu cálamo;
Fosse um cactus erectus
Ele deixaria as mulheres loucas
E eufóricas...
Mas por ironia do destino.
Eu não poderia penetrar nem mesmo
A vagina da fêmea do porco-espinho.
Talvez sim, talvez não
Só poderia copular com a mulher cactus
Se a mulher cactus existisse.
Mas digo e repito
O meu pinto é o meu melhor amigo.


Copyright © Tom vital/01/10/2017


quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Meu Pai

Meu pai

Meu pai descansa!
Durante o velório do meu pai
Ouvi uma velhinha
Dizer baixinho:
“Coitadinho, esse ai descansou”.
Mas poxa vida!
Eu nunca vi meu pai cansado.
Quando se tratava do trabalho meu pai era um mouro.
Não aceito a palavra descanso,
Como metáfora para a morte.
Prefiro a palavra morte
Sem metáfora alguma.
Meu pai morreu!
Eu vi meu pai morrer
Assisti ao vivo,
A equipe médica fazer-lhe
Uma traqueostomia de emergência.
Que de nada valeu
E depois tentar ressuscitá-lo,
Com a técnica de massagem cardíaca
Que na hora me pareceu um espancamento coletivo.
Mas a massagem cardíaca também falhou.
Assisti também a tristeza
Nos olhos das jovens médicas
E enfermeiras devido ao fracasso
Diante de mais uma vida que se esvaiu.
E pouco depois vi que o que um dia
Fora meu pai
Era apenas um monte envolto em mortalha branca
Então meu pai não descansa
Meu pai morreu,
Em 18 de Setembro de 2011.
Ainda que viva na lembrança
Dos seus filhos

Copyright© tom vital/13/08/2017
( Imagem da Internete )

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

O Amor Também Envelhece


O Amor Também Envelhece
A alma farta pisa em favos de mel, mas para a alma aflita todo amargo é doce...Provérbios 27.7✍️

O amor também envelhece.
Os dias eram assim...
As noites também
Você sempre afim.
Na cama na mesa
Na sala na cozinha
No banheiro, e na sacada,
Sob a luz do luar.
Os dias eram assim
As noites também
Você sempre afim.
Você sempre tinha um sorriso
Franco e doce para o seu amor.
Mas o tempo que a tudo lapida
O amor também modificou.
As receitas começaram a chegar
Metformina, losartana potássica
Anlodipino, donaren, lorazepam...
E o amor que era tesão
Era paixão mudou de nome
Não deixou de ser amor 
Mas passou a se chamar
Companheirismo compreensão.
Pode até haver controvérsias
Mas a verdade é que o amor
Também envelhece.                 


Copyright©/ Tom Vital/15/04/2016

( Imagem do Google)

sábado, 5 de agosto de 2017

25

              25
Tenho vinte e cinco anos.
Para ser sincero estou completando
Vinte e cinco carnavais hoje.
São 13:30 em Belo Horizonte
Uma quinta feira
Hoje Eu não vou trabalhar
Resolvi enforcar o dia.
Já avisei lá na Indústria...
Resolvi conceder-me um pouco de irresponsabilidade
Acho que isso me fará bem
Afinal não serei jovem para sempre.
A vergonha que eu tinha na cara
Escorreu pelo ralo
Quando eu lavei o rosto na pia
Esta manhã.
O Juízo também tomou o mesmo rumo
Culpa de Fulana.
Faz muito calor aqui dentro de casa.
Estou falando isso não de copo na mão
Como possa parecer.
Estou sentado no vaso para obrar
E comecei a pensar...
Minha barriga é de tanquinho
De tanquinho mesmo, tanquinho vazio
E não de tanquinho com um pouco
De roupa suja a ser lavada
Sou butequeiro. Sim senhor!
Gosto de uma boa cerveja gelada
E de um bom tira gosto de buteco.
Meu irmão, talvez no futuro
Eu venha a ter calo de balcão como se diz
Afinal não faço mais Cooper.
Mas no momento atual
Posso me orgulhar da boa forma.
Tenho sangue latino
E sangue lupino.
Minha irmã!
Também tenho uma vizinha
Que me atrai feito um grande imã
Atraindo pequenos objetos metálicos.
Mas a distinta é casada.
Casada com um negão
De metro e noventa de altura.
Ela é dissimulada como ninguém.
Ruiva trinta e poucos anos
Só anda de short curtíssimo
Sempre shortinho branco
Pra deixar a gente louco
Com a polpa da bunda toda de fora
E que Bunda. Meu...!
E na coxa direita a tatuagem
Em vermelho fogo da Esfinge de Tebas.
“Como a nos dizer” Decifra-me.
“Ou te devoro.”
E sabe me dar um olhar meigo
Cheio de inocência.
Sei que é tudo jogo de cena.
Mas isso me deixa louco.
E como deixa.
Quando ela passa por mim
Eu sinto minha barraca se armando dentro do calção.
E o meu coração disparando de paixão.
Como já disse hoje é meu aniversário
Faço vinte e cinco anos.
Ontem ela me convidou a subir as escadas
E ir lá ao seu Apê o 404
Hoje à noite.
Eu não gosto de jogar no campo inimigo
É perigoso, tem gosto de chumbo, e depois
Não posso nem reclamar.
Pois sei que estou errado
Bastante errado. Todo errado.
Mas meu Deus!
Eu não vou fugir de uma mulher
Jovem bonita e gostosa
Que me dá bola.
Ainda que ela seja casada.
Não eu não vou fugir de uma mulher.
Como o diabo a fugir da cruz.
Hoje eu vou lá receber o meu presente
Ontem ela me disse que se quiser vai ter que ser desse jeito
Disse também que o marido está viajando...
Então seja o que Deus quiser.


Copyright© Tom Vital/22/02/1990