sexta-feira, 15 de junho de 2012

Coisa De Doido

Coisa De Doido

A quaresmeira em flor

O zurro do burro

O uivo do lobo

O repouso merecido do guerreiro

Depois da grande batalha

Uma noite de insônia

Em busca dos versos perfeitos

Para terminar o poema

Que há muito tempo o atormentava...

A mulher do faquir

Uma noite de amor

Com a mulher do faquir

Na cama do faquir.

Isso é que é coisa de doido

Trocar o certo pelo duvidoso

Uma noite de amor

Com a mulher do faquir

Na cama do faquir.

O mais louco orgasmo

Que o poeta jamais sonhara.

Então ele voltou para casa

Exausto e cansado

Para os braços da amada

Que o recebeu alegre como sempre

Isso é que é coisa de doido

Trocar o certo pelo duvidoso.

Copyright© Tom Vital/02/06/2012

2 comentários:

  1. a mulher do fakir dorme em cama de prego

    ResponderExcluir
  2. Bota coisa de doido nisso!!!
    Bom final de semana, poeta!
    Um abraço

    ResponderExcluir