terça-feira, 6 de setembro de 2011

Abandono

Abandono


 

"Levanta-te vai até Nínive..."

Amigo Maiakóvski

Empreste-me urgentemente

O seu velho revólver

De uma única bala

Talvez eu seja tão ruim

De pontaria

Que até erre o alvo.


 


 

Amigo Maiakóvski

Empreste-me urgentemente

O seu velho revólver

De uma única bala

Quem sabe na hora agá

A minha mão trema

E em vez da cabeça

Eu acerte o ouvido.


 


 

Mulher... Porque me abandonaste?

Se sabias que a carne é fraca

Se sabias que eu teria outra recaída

E voltaria correndo... Correndo

Para os braços da safada outra.


 

Copyright©Tom Vital/02/11/1997

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. esse poema é esse poema. belo, o que eu mais gostei entre os outros ótimos poemas seus. ritmo, verdade e naturalidade.

    tem poemas de boa cepa, esse tom vital...

    o vinho da solidão poética é seu, meu chapa.

    (é a primeira vez que chamo alguém de meu chapa) isso vem de minas. qualquer cosa, leia o boêmio, das primeiras horas do dia..

    ResponderExcluir